O nascimento de Francesco Chirico à eternidade

05/04/2015

Prezada Família do Rogate,

“Não morrerei, mas ao contrário, viverei...” (Sl 117,17a).

Com um misto de alegria e tristeza vimos comunicar o nascimento de Francesco Chirico à eternidade. Alegria pela graça de seus quase 84 anos de vida, dos quais 72 vividos com os Rogacionistas, desde seu ingresso ao seminário de Ória, na Itália, quando tinha 12 anos, em 22 de julho de 1943. Ele, que nasceu em Roma no dia 1º de junho de 1931, exatos quatro anos após a Páscoa de Santo Aníbal, celebrou seus 65 anos de Vida Consagrada no dia 30 de setembro de 2014. Trabalhou em várias Casas Rogacionistas, desde Napoli, Ória e Bari, na Itália, até Criciúma, Passos, Bauru, Curitiba e São Paulo, no Brasil, onde chegou como missionário em novembro de 1961, há pouco mais de 53 anos. Seguramente o Centro Rogate do Brasil, em São Paulo, foi onde permaneceu por mais tempo: 28 anos!

Tive a graça de residir com o Ciccio (tratamento carinhoso de Irmão Francisco, que significa, em português, algo como “Chiquinho”. A pronúncia é mais ou menos assim: Tchítchiu) durante quase 15 anos, de fevereiro de 1996 a novembro de 2010. Ensinou-me, com seu testemunho e simplicidade, muitos aspectos da vida consagrada, sua identidade e missão. Despojado, de pouca fala, mas com um enorme coração.

Justamente seu coração começou a dar sinais de problemas em 1997, quando teve que colocar uma válvula mitral (prótese). Tinha, na época, 65 anos. Nove anos depois, em 2006, a prótese foi trocada, procedimento normal para estes casos. Um marcapasso teve que ser colocado no final de 2007. O problema maior, no entanto, estava por vir: um melanoma no antebraço, descoberto recentemente. A cirurgia de retirada do tumor, já em estágio avançado, acabou debilitando o organismo do Ciccio. E pela idade do religioso, os médicos não recomendaram os possíveis tratamentos agressivos, pois iriam abreviar sua vida. As infecções nas pernas, apesar dos tratamentos e dos acompanhamentos profissionais, não puderam ser contidas. Por fim, internado e assistido por seus coirmãos, após a Unção dos Enfermos nesta tarde de Páscoa, veio a “curar todas as doenças” com sua Páscoa!

Religioso, educador, artista, auxiliar em várias atividades, gostava de estudar. Desenvolveu, por exemplo, um programa de contabilidade para uso na Província, antes do programa Easy Census, lançado pela Congregação e usado atualmente. Também desenvolveu um programa para o controle dos assinantes da revista Rogate e de seus subsídios, o qual perdurou por longos anos. Parte de seu acervo artístico está registrado em um álbum de fotografias, graças a uma Exposição de suas Obras de Arte, realizada na ocasião em que celebrou seu Jubileu de Ouro de Consagração (30/09/1999). Em Criciúma cuidava das projeções dos filmes no Cine Teatro Itália. Em várias Casas estão seus quadros, afrescos e obras de arte.

Irmão Francisco, nome que lembra o querido papa, mas também São Francisco, gostava de cuidar do jardim da Casa. Fazia, com prazer, a poda das roseiras e da vinha. Sim, tínhamos vinhas no Centro Rogate do Brasil. Uvas deliciosas, um banquete partilhado com os pássaros! E os licores!!! Sentiremos saudades daquele de chocolate, ou do creme de limoncello...

Ciccio, obrigado por ter nos ensinado tantas coisas! Obrigado pelo seu SIM quando ingressou na Congregação, quando veio como missionário ao Brasil, quando se colocou à disposição de seus superiores para quaisquer funções a desempenhar... Sua disponibilidade, seu desapego, sua simplicidade e coerência de vida nos contagiou.

Feliz Páscoa, Irmão!

Pe. Juarez Destro, RCJ

P.S.: Velório no Centro Rogate do Brasil. Missa às 14h, com sepultamento em seguida.